segunda-feira, 21 de julho de 2014

O passado mente

Hoje, que amargura é essa pelo hoje? 
Nesses nodosos tempos, jovens catam o antigamente.
Não vivem, buscam.
Sempre atrás do diferente. 
E é por isso que os bares pebas, os quintais sem grama, os batons sem marca são,
ultimamente, 
um refúgio do retro chique, ao qual os de minha idade pregam com tranto friquití,
que me levam num mergulho besta e avacalhadoramente bom
para o presente.