sábado, 7 de junho de 2014

Ainda bem

Ainda bem que você vive comigo
Pra quebrar meu casulo
Me mostrar a quebra de barreira incluída
Ao sair da minha casa, que eu posso deixar perdida
E me mudar de mala e cuia pra algum lugar perto do seu coração
Ainda bem que quebrar meu casulo já basta
Eu não preciso me jogar do oitavo andar
Pra você saber que ajo de maneira estranha
Mas sinto o que sinto da mesma forma
Não preciso me transformar em caricaturas
Nem preciso ser tuas pinturas
Nos olhos da negação
Eu não preciso ser criticado por ti
Se tu é quem mais me entende
E me cerca pelo teu conhecimento limitado
Que, ainda assim, é basicamente mais do que eu sei
Ainda bem que eu não preciso lembrar quem sou
Já que todo dia, você me lembra onde estou
Pra onde quero ir
E como chegarei lá
Apenas me enxergando em ti, eu posso me definir
E sei, eu faço parte de você
Assim como você faz parte de mim
Eu olhei no espelho
E fiz um discurso
Eu ouvi no rádio
E de repente
Nós somos um só
E, sintonizados no canal da paixão
Já dá pra se perceber
A gente vai se ensinando
E o amor vai mostrando
Como eu realmente deveria ser