segunda-feira, 28 de abril de 2014

Eu me matei

Naquele dia
Que a gente foi se reconhecendo
E eu fui me surpreendendo
Ao me deixar levar
Eu de besta não sabia
O que com você faria
Onde isso iria nos levar
Bom, nos trouxe até aqui
Sou muito louco pra não te amar
Muito medroso pra partir
Apesar de querer ter teu amor
Não se espante, é amor de amigo
Tudo o que te peço é pelo que te faço
Pelo que te faria
E sei que assim, todo dia
Um outro amigo faria por mim
Se tivesse declarado
Com surpreendente demasia
O amor que sente por mim
Mas você não há de me entender
Não vai deixar de teimosia
Não vai sacrificar por mim algumas horas do seu dia
Não vai olhar pra mim ao chegar
Nem falar comigo quando estiver lá
Pois sou um canto invisível
Um plano de vida falível
Ora, se pensa assim então
Devolva o espaço que tem no meu coração
Sei que nem por esse poema vais me entender
Talvez nem desconfies do que está se passando
Mas se sou um nada tanto para você não ver
Bom, que assim seja
Ignore nossa amizade
Antes que eu acabe me matando