domingo, 27 de abril de 2014

Tatuagem

Vejo passando de relance
Um braço distante marcado
Um coração, nele, pintado
E uma epifania em mim num instante
Em que tudo estava premeditado
A assim sempre acabar
O coração ali pendurado
No meu peito deveria estar
Não porque tinha sido roubado
Mas pelo fato que estou a explicar
Aquele era um coração ensanguentado
E que várias flechas levou
Que ao amor estava sujeito
E em mais nada ele hesitou
Foi amando e amando todo dia
Em toda esquina se apaixonou
Mas aí então, a harmonia
Acordou no outro dia
Lhe meteu outra flecha e o deixou
Mas, como um teleporte
A flecha entrou no peito e sumiu
Eu perdi ali todo o meu amor
E minha cabeça de vez explodiu
Mas hoje a esperança não me está de sacanagem
Naquela moça que vi passar
Eu vi meu coração, meu amor e meu amar
E só irei me acalmar
Quando para ela chegar
E poder dizer que ela roubou meu coração
Mas, claro, que me entenda sem viagem
Ela não é minha paixão
Meu coração é sua tatuagem