quinta-feira, 24 de abril de 2014

Livre amor

Se não me tivessem feito um tanto assim
Tão ingênuo e inocente
Se nós dois fôssemos um pouco mais complacentes
Confesso que, assim, seríamos mais nuvem e céu azul
Quisera eu não ser um ser tão pequeno
Que não conseguia nem te fazer me enxergar
E que certamente não faria tu se reter
Perto de você, eu sou mais uma lagartixa
Um animalzinho qualquer
Que queria te babar como todos os outros
Que te chegava no primeiro assovio
No primeiro cantar
Mas, diferente dos outros
Eu era aquele que te fazia harmonia
Que te completava em nossas vozes
E isso faz trazer a nostalgia
De tudo o que vivemos naquele dia
Que, antes de tudo, foi apenas curto
Seguido de confusão e melancolia
E já nem sei se realmente valeu mais
Por ter sido assim
Bom, o fato é que podíamos servir de complemento
É, se não fôssemos tão diferentes...
O dia vai chegar
Em que eu poderei dizer que sou alguém
E isso não será por sua causa
Mesmo que nós nos acertássemos quando fôssemos parelha
Eu sei que nosso amor iria apenas findar
Você quer o mel e o ferrão da abelha
Eu queria apenas te contemplar
E se consideras isso te prender
Me liberta então do teu ser
Pois, assim como você
Eu quero ser livre para amar
Mas enquanto amando eu estiver
Não existirá outra mulher
Que terá meu coração, como a que eu me declarar