quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Comando!

As flores emanam teu cheiro
E a natureza imita tua calma
Os pingos caem serenos
Ondulam devagar o lago
E me lembra quando tu fala palavras sedosas
Que me fazem tremer lentamente
O calor me lembra tua intensidade
A combustão espontânea parece com nossa paixão
Que me arde e me queima
Me consome por inteiro
E nos consome
Mas que, quando branda, deixa tudo pronto
Pra gente ressurgir das cinzas
E nos queimarmos outra vez
A noite me lembra minha solidão
E a luz do sol, me lembra que tu me guias
E é como se, por causa da natureza
Eu já não precisasse de nada vindo de tu
Até me lembrar que tua vivacidade é que coordena meu andamento
Tua batuta é que me comanda
Você é meu maestro
Até quando eu me rebelar
E te fazer balançar
Quando tu cair do topo
Vai estar aos meus pés ou nos meus braços
E eu vou ditar teus movimentos
Como uma música comanda uma bailarina