segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Moça

Moça, eu percebi.
Totalmente ilusórios, os meus olhos te caçam
Em impulsos involuntários
Que a barreira da sanidade perpassam
E não dá pra ignorar.
Eu tentando te esquecer
Ou tentando te evitar,
Seguindo a vida que não tenho,
Com o rumo que nem imagino,
Acabo de cara com seu sorriso.
Nos teus olhos eu me perco.
Em teus lábios, me acho
Só pra me perder nos teus cabelos.
Suas atitudes, moça,
Me deixam desnorteado.
Logo eu, que te vejo inalcançável,
Sou alvo do teu bombardeio,
Do qual não tens intenção de tramar.
Bombardeio que eu mesmo arquitetei.
Ah, moça,
Esta história ninguém vai querer ouvir.
Sou só um louco solitário.
Agora, um pouco mais despreparado,
Desesperado,
Alterado,
Deslocado,
Desantenado,
Apaixonado.