sexta-feira, 4 de abril de 2014

A teoria do querer

Um dia assim ensolarado
Um tanto anoitecido
Minha paixão platônica me perguntou:
"O que te dou de presente?"
E eu, inconsequente, mas não precipitado, pensei:
"Me dê teus lindos poemas
Tuas execuções instrumentais
Teus sorrisos excepcionais
Me dá teus beijos espetaculares
Teu cheiro relaxante
Tuas mãos de seda
Tua alegria dançante
Tua calmaria cativante
Tudo teu que me faz assim
Que me faz sentir
Que achei tudo o que procurava
Em uma só incrível pessoa
Me dá teu olhar sincero e engraçado
Me dá tua companhia
Que meu presente
Seja que tu estejas presente"
Depois de pensar profundamente
Em todas essas hipóteses e possibilidades
Eu disse:
"Uma lembrancinha tá bom"