quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Cross

Eu imagino se eu cruzo sua mente alguma vez
Como cruzei seu corredor
Pois isso acontece comigo o tempo todo
E é o suficiente para arrancar meu normal
Me deixar palpitando total
Quase assassinando minha respiração
Quando olhares se percebem e se desviam
Por outro lado, tudo bem
Nunca mais fui o mesmo
Era pra ter sido o motivo da minha morte
Mas deixei de lado meu suicídio
Comprei uma bússola e estou indo para o norte
Serei dórico, jônio e mixolídio
Pois o que uma vez eu fiz já não é coisa que se faz
Eu não serei quem sentenciará minha própria morte
Nunca mais
Eu tenho preciosos amuletos que me fazem forte
E capaz
Eu tenho minhas torres
E te espio por atalaias
Com meus olhares de águia
Já sei dos teus movimentos
E vou te deixar em paz
Antes que tu vire meus tormentos
E eu invente de te querer ainda mais
Não é e nunca foi assim
Já mudei, vou me libertar
Ainda não encontrei o futuro da vida
Mas posso descobrir o mundo inteiro até lá
Não custa nada tentar