sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Confusa omissão

Não há nada a acrescentar
Se eu era muito bobo a te amar
Deixo meu coração respirar
Minha mente bater em paz
Meus pulmões pensarem
Meus olhos gelarem
Minhas mãos olharem
Meu corpo ouvir
E meus ouvidos tremerem
Pra dizer que não sinto nada
Pois camuflar o amor
Sempre foi mais fácil e doloroso