sexta-feira, 28 de junho de 2013

Manifesto Retroguardiano

Retrô não é repulsa ao neo.
Retrô é querer mudá-lo,
torná-lo mais original e autêntico.
É querer pessoas autônomas, controladas por suas próprias mentes
pensantes que pensam por si só.
Retrô é a nossa escapatória ao neo!
Sonhamos escapar desse novo mundo moldado, esculpido, controlado.
Não que o passado seja muito melhor que o presente,
mas o passado que nos é mostrado em certos pontos parece ser mais ativista.
Menos passivo, mais reacionista.
Um passado mais lutador pelo que se quer.
O passado da guerra de canudos,
da revolta dos Malês,
da Cabanagem,
da revolta da vacina,
do famoso Lampião,
da Coluna Prestes,
das Diretas Já!,
da Conjuração mineira,
da insurreição pernambucana.
Tudo isso está em falta hoje.
Pela opressão que sofremos durante cada revolta dessa contra o governo (qualquer que seja ela),
fomos oprimidos violentamente,
massacrados,
derrotados,
humilhados.
E hoje, somos totalmente passivos.
Corrupção em Brasília, e nós aqui com uma total vista grossa.
Injustiça fazendo parte do dia a dia de todos e qualquer um,
e viramos a cara,
fechamos os olhos,
tapamos os ouvidos pra não ver.
Não tem que ser assim.
Podemos e devemos mudar!
Democracia é o governo do povo e o povo precisa escolher o que quer.
Temos que correr atrás e mudar o panorama.
Nada está perdido.
Mas,
não há luta ou mudança sem atitude
e não há atitude sem vontade!
Temos que sair para as ruas da cidade e exigir o que queremos.
Exigir o que nos foi prometido.
E mesmo que demore um, dois, vinte, ou cinquenta anos,
temos que continuar lutando.
Não vamos ter tudo na mão de uma hora para a outra.
Não podemos desistir,
nem podemos sentar esperando que algo aconteça da noite pro dia.
Queremos? Lutemos!
Exijamos!
Deixemos de esperar tanto por algo e façamos nós mesmos.
Quando saímos do repouso, passamos a pensar fora da caixa!