quinta-feira, 23 de maio de 2013

Brácteas


Flores estranhas,
Não sei de quem/o que é.
Sempre as vejo
Imagino e descrevo.
Brácteas vermelhas,
De longo caule.
Flores escuras.
Verde.
Amarelo.
Mas e as folhagens?
Não sei.
Não aparecem?
Existem?
É tudo só um sonho?
Vermelhas de sangue.
Vermelhas de dor.
Vermelhas, tão grandes.
Vermelhas de amor.
Podia ser qualquer coisa
Que não consigo dizer.
Podia ser meu destino,
Mas só se fosse você.
Podia me levar
Pra qualquer lugar,
Me fazer sorrir e navegar.
Mas ainda estou aqui
E não descobri.
O que essas flores estranhas
Querem dizer para mim?

Poema por Lisianthus Noturno e Dinossauro Solitário
Desenho por Lisianthus Noturno